quarta-feira, 24 de julho de 2013

De tudo, no fim.

E em meio a uma tempestade de pensamentos perceber que se doou demais a uma pessoa, a um sentimento, a uma verdade. 
Se abriu demais, mas não chegou a sentir o seu aconchego. 

Gostou demais, mas não foi gostado.
Chegou no fim, e se viu sozinho.
Ou, talvez só nunca esteve com ninguém.


Nenhum comentário: